Da Preservação do Amor

>> terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Chega um tempo em que é preciso desfazer a casa. E desfazer não é destruir, não é sabotar, não é abandonar. Desfazer exige arte, exige controle, exige paciência, exige amor. Pode parecer um contra-senso ligar desfazer a amar. Porém o ato de desfazer a casa é um ato amoroso que evita o rancor, evita a surpresa, evita até mesmo o desamor. Desfaz-se a casa para que o amor prossiga. É preciso sempre manter-se atento para reconhecer o momento de desfazer a casa quando ele se apresenta. E falo em atenção, pois este momento não chega fazendo estardalhaço... ele é sutil... discreto, se apresenta de branco, se mistura ao dia a dia e se o deixarmos passar, ele degenera e vira destruição. O ato de desfazer a casa é comedido, é respeitoso, é amigo. Desfazemos a casa para preservarmos o jardim. Tiramos o peso dos móveis, as limitantes paredes e passamos a contar com o aberto do jardim, onde afinal, tudo começou... E digo com quase toda certeza, que, se apesar da casa desfeita, o jardim permanecer, tudo pode ser, tudo pode existir, tudo pode renascer...

Nina Victor



0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

  © Blogger template Wild Birds by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP