"he looked right through me as if I wasn't there"

>> sábado, 6 de setembro de 2008


Ouvindo a Roberta Flack cantar "Killing Me Softly With His Song", me lembro de um certo show que aconteceu na Casa de Cultura Laura Alvin nos idos dos anos 90. Penso que foi o dia em que fiquei mais embasbacada vendo alguém tocar uma guitarra... não que ele fosse algum virtuose, o que acontecia é que eu morria de tesão pelo guitarista que era amigo de uns amigos meus. Eu já estava cansada de vê-lo tocar nos ensaios (o show era de um amigo meu e o cara tocava na banda) mas quando o vi no palco, no dia da estréia, não sei se trepando ou fazendo amor com a guitarra, pirei. Mas pirei legal mesmo... meus olhos se vidraram nele e nem mesmo me dei ao trabalho de prestar atenção ao resto. Não sei dizer como foi a performance do meu amigo, mas na minha memória, tenho gravado, com rigor de detalhes, cada movimento corporal, cada expressão facial, os ágeis dedos passeando pelas cordas da guitarra... Ele tocava como se estivesse só, sem ninguém olhando, como se a música o possuísse e o levasse a um transe sexual hipnótico, psicodélico, arrebatador. E eu lá, na primeira fila, no gargarejo, babando e salivando de desejo, sonhando em ser aquela guitarra por um instante que fosse - se tocada daquele jeito e... obedecer. É... tem certas coisas que são inesquecíveis, como um tesão não realizado, por exemplo. Mesmo que o tempo passe e que novas e ótimas coisas e pessoas venham para a vida da gente, mesmo que o tempo presente seja feliz, ainda assim, algumas sementes não germinadas repousam no fundo da alma e vêm à tona em momentos de suave nostalgia.

Nina Victor



0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

  © Blogger template Wild Birds by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP